Profissional habilitado a atuar nas várias manifestações da questão social e nas demandas dela emergentes. Formulando e implementando propostas para seu enfrentamento, por meio de políticas sociais públicas, empresariais, de organizações da sociedade civil e movimentos sociais, dotado de formação intelectual e cultural generalista crítica, competente em sua área de desempenho, com capacidade de inserção criativa e propositiva, no conjunto das relações sociais e no mercado de trabalho.

Profissional comprometido com os valores e princípios norteadores do Código de Ética do Assistente Social e na Lei que regulamenta a profissão, com competências e atribuições privativas da categoria e consciente da luta por melhorias de qualidade de trabalho e na busca constante do aprimoramento intelectual.

Profissional atuante em atividades de orientação, junto a pessoas, grupos e comunidades. Intervindo na realidade social mediante o compromisso com os grupos marginalizados social e economicamente.

As instituições que têm contratado o (a) Assistente Social, em geral são: prefeituras, associações, entidades assistenciais e de apoio à luta por direitos, sistema judiciário e presidiário, sistema de saúde, empresas, sindicatos, sistema previdenciário, ONG's, centros comunitários, escolas, fundações, universidades, centros de pesquisa e assessoria. Como as injustiças sociais e a desigualdade são persistentes e estruturais, enquanto permanecerem haverá campo de atuação profissional; nesse sentido, é sempre possível expandir o "mercado de trabalho", ao tempo em que, contraditoriamente, fruto das mesmas injunções políticas e econômicas que enxugam o emprego no país, também retraem-se alguns campos, proporcionalmente ao universo de profissionais no país (cerca de 53.000, dados da última atualização do cadastramento dos CRESS). Há que se considerar em expansão, por exemplo,o contrato de prefeituras para planejamento/programação de políticas sociais, devido à interiorização/descentralização das políticas públicas; solicitação de assessorias ou consultorias em projetos e programas sociais; solicitação de projetos para captação de recursos; e outros.

O processo de formação do profissional em Serviço Social deve desenvolver a capacidade teórico-metodológica e ético-política, fundamento para a atuação técnico-operativa, com vista à capacitação para uma leitura crítica da realidade social em sua totalidade.

A capacidade de análise do movimento histórico brasileiro compreende as nuances do desenvolvimento do capitalismo neste país. A compreensão do significado social da profissão e de seu desenvolvimento sócio-histórico, no cenário internacional e nacional, desvela as possibilidades de ação contidas na realidade; a identificação das demandas presentes na sociedade, visando formular respostas profissionais para o enfrentamento da questão social, considerando as novas articulações entre o público e o privado.

Estes elementos estão em consonância com as determinações da Lei n. 8662, de 07 de junho de 1993, que regulamenta a profissão de assistente social e estabelece as seguintes competências e habilidades técnico-operativas:

a) Formular e executar políticas sociais em órgãos da administração pública, empresas e organizações da sociedade civil;

b) Elaborar, executar e avaliar planos, programas e projetos na área social;

c) Contribuir para viabilizar a participação dos usuários nas decisões institucionais;

d) Planejar, organizar e administrar benefícios e serviços sociais;

e) Realizar pesquisas que subsidiem formulação de políticas e ações profissionais;

f) Prestar assessoria e consultoria a órgãos da administração pública, empresas privadas e movimentos sociais, em matéria relacionada às políticas sociais e à garantia dos direitos civis, políticos e sociais da coletividade;

g) Orientar a população na identificação de recursos para atendimento e defesa de seus direitos;

h) Realizar estudos sócio-econômicos para identificação de demandas e necessidades sociais;

i) Realizar visitas, perícias técnicas, laudos, informações e pareceres sobre matéria de Serviço Social;

j) Exercer funções de direção em organizações públicas e privadas na área de serviço social;

k) Assumir o magistério de Serviço Social e coordenar cursos e unidades de ensino;

l) Supervisionar diretamente estagiários de Serviço Social.

  • Habilitação: Bacharelado

  • Turno: Noturno (19h às 22h)

  • Carga horária: 3.745 horas/aula

  • Estágio curricular: 450h

  • Duração: 04 anos, com regime semestral e presencial.